FEMINISMO - Do sofrimento à sociedade perfeita!


Pioneirismo brasileiro, feminismo e realismo fantástico marcam a história da obra da cearense Emília Freitas, A Rainha do Ignoto, publicada pela Editora 106.


A narrativa escrita em 1899, atravessa gerações para inspirar e dar força às mulheres.

O livro conta a história de uma sociedade secreta de mulheres, governada pela justa e solidária Rainha do Ignoto. Ela abriga mulheres que sofreram algum tipo de violência para viverem em uma comunidade melhor e se tornarem o que ela chama de paladinas.
Está bem, mas como isso pode ajudar na luta atual?

SORORIDADE - É a palavra de ordem!
Não são apenas mulheres, são mulheres violentadas e subjugadas. Emília ensina sobre a importância de estender a mão, de acolher. Apresenta, por meio da literatura ficcional que uma mulher pode ser o ponto e vírgula da narrativa de dor cotidiana vivenciada por muitas.

PROFISSIONALIZEM-SE!
Sim, descubram a sua vocação na sociedade, da mesma forma que no livro, as mulheres podem ser engenheiras, médicas, generais, cientistas e até mesmo astronautas.
Busquem o seu valor, por mais difícil que seja reprogramar a mente para isso.

FUJA DOS PADRÕES!
Você pode escolher querer um bom partido, como as personagens Henriqueta e Carlotinha, na história de Emília. Mas jamais permita que a conquista disso inflija tristeza.
Aceite seus próprios padrões e seja feliz.

QUESTIONE O PATRIARCADO!
Sempre, onde há violência, seja física ou psicológica algo está errado. Os homens usam da força e da cultura do machismo para subjugar as mulheres, não deixe que aconteça com você e nem com nenhuma outra mulher. Jamais existirá motivo.

LEIA!
É um marco da literatura, não só para época, mas sim para todas as gerações, contando que a luta só começou.
Seja uma paladina da Rainha do Ignoto ou um apoiador da causa.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Folha da Comunidade DF - 2015 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo