CESTAS BÁSICAS E KITS DE HIGIENE - GDF reforça o apoio para população vulnerável


O Governo do Distrito Federal (GDF) vai investir R$ 15 milhões no fornecimento de 53.856 cestas básicas e 53.856 kits de higiene, ambos destinados a pessoas em situação vulnerável atendidas pela Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes).



A medida, que abre dispensa de licitação emergencial, foi publicada em edição extra do Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) neste domingo, 5 de abril e é mais uma ação para combater a pandemia provocada pelo novo coronavírus (Covid-19).

Do montante a ser investido, R$ 10 milhões compõem recursos destinados ao combate à Covid-19. Outros R$ 5 milhões são de programas continuados da secretaria, mas não entram na dispensa de licitação emergencial.

As cestas serão compostas por arroz, açúcar, feijão-carioca, macarrão, farinha de mandioca, polvilho doce, óleo de soja, carne bovina, sardinha, sal, café e leite. Já os kits de prevenção contam com sabão em pó, detergente, água sanitária e sabonete.

Empresas interessadas em participar da licitação devem enviar proposta até as 14h do próximo dia 8 de abril, quarta-feira  ao e-mail dispensadelicitacao@sedes.df.gov.br.
O termo de referência referente ao certame está disponível no site da secretaria (www.sedes.df.gov.br).

* Fonte: Agência Brasília/ Sedes

ESCOLA PARTICULAR EM TAGUATINGA se antecipa e adota medidas para a redução das mensalidades


É mais que notório que a pandemia da COVID-19 provocada pelo novo corona vírus está alterando a rotina de todos os brasileiros.
As mudanças que a gripe vai causar na economia e na vida das famílias serão drásticas. E quem melhor se preparar para elas agora, durante as medidas de isolamento social impostas pelos governos, vão sentir menos os seus efeitos colaterais futuros.
As atividades nas escolas particulares, que só serão retomadas a partir da primeira semana de junho, é uma preocupação em particular que aflige ainda mais aos pais que tem filhos e dependentes matriculados na rede privada de ensino. Todos eles apreensivos quanto às mensalidades escolares.

Como suportar essa despesa em um quadro de recessão?
Os técnicos do governo estão ainda na fase de estudos em relação a projetos para redução de parcelas, redução de salários, suspensão de pagamentos de alugueis e outras iniciativas para ajudar as famílias nessa questão. Mas, nada foi decidido sobre esses temas, ainda.

A iniciativa de uma escola particular de Taguatinga acendeu uma luz de conforto para os pais nesse horizonte obscuro do pós-pandemia.

O Centro de Ensino Pátria Amada Infantil – CEPAI, localizado em Taguatinga Norte na QND 30, pensando na preservação dos empregos dos funcionários e na paz de espirito dos mantenedores das finanças do lar, resolveu conceder o desconto de 30% sobre o valor pago em todas as mensalidades, até que o governo determine o retorno das atividades normais nas escolas particulares. A liberalidade vale para todos, até para os que já têm descontos por convênio ou por pontualidade.

Um dos gestores da CEPAI, Pedro Alves, explica de onde veio a idéia e de onde virão os recursos para garantir os descontos:

“Resolvemos tomar a frente de todas essas incertezas de projetos de lei, receio dos funcionários perderem seus empregos e de os pais não terem definição de descontos ou rescisão contratual, por patriotismo e principalmente pensando nas crianças. Precisamos fazer mais do que nossa parte nesse quadro caótico e também dar condições para que os pequenos alunos tenham de volta o contato com suas “tias”, esse, que faz uma falta muito grande na vida deles”.

“Para que essa decisão de conceder um desconto de 30% seja possível, contamos com o apoio de todos os funcionários e de nossos fornecedores. E tudo foi decidido em um clima de harmonia entre todos. Os funcionários resolveram aceitar receber a menos de suas rendas e a proprietária do imóvel, Dona Fátima, baixou o valor do aluguel, nos dando condições de repassar esse desconto nas mensalidades. E nós do CEPAI só temos a agradecer toda essa generosidade, essa compreensão, aos nossos funcionários e a nossa parceira, a locadora do imóvel onde está instalada a escola”.

Como as atividades estão suspensas no centro de ensino, Pedro Alves aponta mais uma fonte dos recursos que vão permitir o desconto de 30% nas mensalidades:

“Além disso, com a escola fechada, já vai haver uma diminuição nos custos do fornecimento de água, energia elétrica, alimentação e transporte de funcionários e seria injusto não tentar repassar esses custos para os pais e responsáveis dos alunos matriculados no CEPAI”.

O Centro de Ensino Infantil - CEPAI informa que vídeos-aulas e exercícios estão disponibilizados para seus alunos e que vão distribuir Kits de material escolar com cola, tintas, massinhas, lápis de cor e outros itens para as crianças possam realizar as atividades escolares em casa durante o confinamento das famílias.
A escola também está concluindo um projeto de produção de site próprio e de páginas no Instagram e Facebook para maior rapidez na comunicação e aproximarem ainda mais a direção, professores, pais e alunos.

As medidas tomadas pelo Centro de Ensino Pátria Amada Infantil vêm ao encontro das necessidades dos pais em não romperem os contratos e prejudicarem os filhos na retomada das aulas.
Pedro Alves recomenda que as outras escolas particulares sigam o exemplo do CEPAI;





Nota da redação
Os efeitos colaterais citados neste texto são inevitáveis. Uma crise pandêmica mundial com as proporções da COVID 19 vai mexer com a rotina do brasileiro não só no sistema da Saúde. 
Vai influenciar hábitos, costumes e, de forma tão aguda quanto, vai abalar também a Economia no país.
Vai ser uma fase de amadurecimento para empresários, trabalhadores, clientes, eleitores e cidadãos. O lado bom (se é que existe um lado bom) é que as restrições e as dificuldades impostas pela crise estão criando um ambiente propício para avaliar o comportamento dos nossos gestores, políticos, parceiros, fornecedores e prestadores de serviços. É uma grande oportunidade para que todos eles demonstrem na prática se o discurso do politicamente correto era da boca pra fora.
Atitudes pioneiras e voluntárias como as adotadas pela direção do Centro de Ensino Pátria Amada Infantil demonstram patriotismo, cidadania e, acima de tudo, respeito aos clientes.
Esperamos que outros sigam o exemplo.

BRB LANÇA CAMPANHA de arrecadação de recursos para compra de respiradores



O Banco de Brasília (BRB), por meio de seu instituto – entidade sem fins lucrativos e que tem como missão promover a qualidade de vida nas comunidades onde o banco atua – e com o apoio do GDF, dá início a uma campanha de arrecadação de recursos para o combate à Covid-19.
O objetivo é arrecadar R$ 25 milhões para a compra de 250 respiradores e outros insumos para ajudar o DF a superar a pandemia do novo coronavírus.


AÇÕES PONTUAIS
Desde o início da crise, o BRB, como instituição financeira do Distrito Federal, tem atuado para minimizar os impactos provocados pela Covid-19. No mês passado, o banco lançou o Supera-DF, programa amplo com soluções para pessoas físicas e jurídicas.
Em pouco mais de duas semanas, já foram atendidas 1.113 empresas de diferentes setores, tendo sido liberados mais de R$ 100 milhões em crédito. O programa segue até 30 de junho e prevê, no total, a concessão de R$ 1 bilhão.
  
COMO AJUDAR
Para participar da campanha de enfrentamento à Covid-19, basta doar qualquer valor para a conta abaixo:
Instituto BRB
Agência : 027
Conta poupança: 049521-5
CNPJ: 02.174.279/0001-55

* Com informações do BRB


FEIRAS PERMANENTES voltam a receber público


As 23 feiras permanentes do Distrito Federal voltaram a receber clientes neste sábado dia 4 de abril, após a publicação do Decreto n°40.587, que autoriza o funcionamento desses locais, exclusivamente para a comercialização de gêneros alimentícios de consumo humano ou animal, durante o período de quarentena na capital federal.


A abertura foi feita de forma consciente e segura, pois o Governo do Distrito Federal higienizou as feiras como medida de combate à proliferação do novo coronavírus (Covid-19).

O público recebeu todas as orientações, inclusive com aferição de temperatura, procedimentos necessários para garantir que tudo transcorre com a maior segurança.  Com ou sem máscaras, respeitando o espaço de distanciamento e evitando aglomeração nos boxes, os clientes aproveitaram para adquirir produtos frescos.

TRABALHO COM SEGURANÇA
O comerciante Marcelo Sarmento se mostrava animado à espera dos clientes. Os funcionários do box que ele comanda usavam máscaras e sabiam de cor as medidas de higiene.
“É muito boa a abertura das feiras, porque estamos tomando todas as precauções para continuar trabalhando” disse.

Marcelo demonstrou estar seguindo à risca as orientações:
“Temos pedido para os clientes fazerem o pedido por telefone, passar e buscar no balcão para evitar a aglomeração. Se continuarmos com esses cuidados, nós vamos trabalhar e manter a saúde dos clientes e a nossa saúde financeira. Só nesta loja, são dez famílias que precisam desse trabalho. As medidas têm sido positivas, e é assim que vamos vencer o coronavírus”.

A Feira Permanente do Cruzeiro adotou medidas de precaução para evitar que o vírus se espalhe. Logo na entrada, bombeiros mediam a temperatura dos clientes. Nos boxes, os proprietários dispunham de álcool em gel e todos usavam máscaras. Cartazes sobre o novo coronavírus (Covid-19) também estão afixados no local.
Já os estabelecimentos comerciais que tiveram suas atividades suspensas continuam fechados até maio. As medidas fazem parte das ações do GDF no cuidado com a população e orientações para combater a Covid-19.

DISTRIBUIÇÃO DE MÁSCARAS
Também neste sábado, a secretária de Justiça e Cidadania, Marcela Passamani, distribuiu máscaras descartáveis para os clientes e comerciantes como forma de prevenir a proliferação do vírus. O material foi produzido por internos da Penitenciária do Distrito Federal I (PDF I), numa ação que contribui para seu processo de ressocialização.



Fonte: Agência Brasília

CORONAVÍRUS - GDF suspende nomeações e posses


Nomeações e posses de candidatos já aprovados em concursos públicos no DF estão suspensas por tempo indeterminado.

A medida foi publicada em edição extra do Diário Oficial publicada no dia 28 de março, sábado como mais uma forma de contenção da disseminação do novo coronavírus.

Apenas aqueles com funções necessárias para a prevenção, contenção ou combate à Covid-19 podem iniciar o exercício. 
O Decreto no 40.572, de 28 de março de 2020, considera que a nomeação de novos servidores públicos pode comprometer as limitações de locomoção orientadas pelas autoridades para evitar a propagação do vírus.
Além disso, o texto lembra que as atividades incompatíveis com o teletrabalho devem ficar suspensas em virtude da situação de emergência em saúde pública e da pandemia decretada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). 
POSSE DE PROFESSORES
Com a determinação, fica cancelada, por exemplo, a posse de 821 professores de Educação Básica que aconteceria a partir do dia 31 de março. 

Segundo a Secretaria de Educação, será verificada a possibilidade de aproveitar os exames admissionais e avaliação na Subsecretaria de Segurança e Saúde no Trabalho (Subsaúde) dos candidatos que já passaram por essa etapa.

Fonte: Agência Brasília

A FICHA NÃO CAIU? - Dr. Júlio Carneiro




SAÍ DO MEU BUNKER!
*Dr. Júlio Carneiro

Uma semana depois de reclusão total, dirigi o carro para ajudar um filho a resolver algumas questões urgentes no centro da cidade. Fiquei no carro e aproveitei para observar as pessoas. 

Não gostei do que vi. Havia poucas pessoas nas ruas, mas muito comportamento errático. Dentro dos comércios, as pessoas não respeitavam a distância de segurança, raras usavam máscara, passavam a mão no nariz, nos objetos e, principalmente, no celular.
Vi um jovem entrar em uma farmácia, onde havia pessoas tossindo, ele saiu, abriu a embalagem do chocolate e comeu sem higienizar as mãos.
Vi gestantes e idosos completamente alheios aos cuidados.

“A impressão é que estamos na guerra sem preparo e sem comando. Sem estrutura e até sem informação”.

Sem preparo, pois o Brasil não possui experiência em relação a catástrofes ou a guerras, nunca passamos por momentos de ampla e profunda crise que exigisse esforços sobre-humanos e, portanto, de união. Não sabemos o que é isso.
O máximo desafio que temos costume de enfrentar são os jogos da seleção na copa do mundo. 

Sem comando, pois as nossas autoridades batem cabeças com muito ego e interesse em jogo. E o mais grave falta humildade.
Alguns ou quase todos falaram besteiras, e diferente de outros líderes no mundo que reconheceram o erro e mudaram o discurso, aqui parece que estamos lidando com autoridades que se julgam messias que nunca erram. 

“Se ninguém abre mão das verdades pessoais, mesmo as que caducaram, não há diálogo”.

Temos leis e temos estruturas de proteção social, de saúde, de educação, de segurança e serviços de apoio, inclusive com alternativas, e temos especialistas experientes em gestão desses recursos, mas parece que sem comando, não temos nada. Falta uma convocatória para uma conversa de entendimento para uma lúcida tomada de decisões no campo da saúde, social e econômico.

“Na guerra, pouco importa a cor das camisas”.

Parece que estamos em uma Babel, com muita informação e contrainformação.
No tempo da  Internet de alta velocidade, corremos o risco de perder o time da vida. Precisamos de decisões certas e ações que caminhem na velocidade requerida.
O Brasil é muito grande e os recursos, assim como as informações claras, precisam chegar urgentemente aos mais vulneráveis e distantes. 

“Saí do bunker e não gostei do que vi pelas ruas”. 

A ficha não caiu, as pessoas não acreditam que podemos antecipar o pior dos mundos com as atitudes desleixadas, egoístas e contenciosas. Está na hora de sair da polarização.
Precisamos canalizar energias para uma mobilização de pessoas, junto com o poder público, em prol de enfrentar a situação com gestos concretos.
Para isso, o silêncio, sem panelas batendo, sem pronunciamentos irracionais.

Não estamos tendo o comportamento de um povo que deve vencer um inimigo comum do tamanho desse.

“Do jeito que estamos, será outro 7 x 1, porém sem condições de revanche, pois as perdas serão definitivas e muitíssimo dolorosas”.

AVANTE BRASIL, ESSA É A NOSSA GUERRA!



O PESADELO que está assombrando o mundo


O mundo está atônito com a pandemia da gripe COVID-19 causada pelo novo Corona Vírus, que teve o seu inicio na China. Vários países já estão com os seus sistemas de saúde em colapso, pela grande quantidade de casos e mortes causadas pela doença.


Como um triste exemplo, a Itália está sofrendo grande perdas de vidas, colapso no sistema de saúde e uma grande recessão econômica provocada por esse vírus altamente transmissível e de alta letalidade.

A Itália está amargando grandes prejuízos, pela escolha que fez em priorizar a economia em detrimento aos riscos para a saúde no começo da pandemia da COVID-19.
Faltou pulso às autoridades, aos governantes e responsáveis em conscientizar o povo sobre a seriedade da gripe?
Nesse momento, para o povo da Itália, que só quer ficar livre desse pesadelo, isso é irrelevante. Mas, com certeza, se eles pudessem voltar no tempo, o comportamento da população no começo da crise seria outro.
Hoje, entre os italianos, é unanime a opinião de que os prejuízos para a economia seriam bem menores se eles tivessem cruzado os braços e ficado em casa, logo nos anúncios dos primeiros casos da China.

É o que estão aprendendo da pior forma também os chineses, os espanhóis, os australianos e os norte-americanos, que só agora começaram a levar mais a sério a situação. Esses últimos, já estão atingindo os números alarmantes dos outros.
Esse caos é aonde o Brasil não quer, não pode e não deve chegar.
Pra escolher, entre especulações de leigos e dos sábios da aldeia e do outro lado as orientações das autoridades cientificas de notório saber, o melhor para o país é ficar com o que dizem os últimos: Isolamento social para os trabalhadores que podem ficar em casa.

Sobre a economia, destaque para o que disse Ronaldo Caiado sobre os estragos do corona vírus para o país: “alguém tem dúvida da crise e do desemprego que vai gerar?”
Aconteceu em outros países e vai acontecer aqui também, infelizmente, mas inevitavelmente.

Nem tudo está parado e nem tudo deve parar. Sem deixar de destacar os profissionais da Saúde e da Segurança Pública, outras simples atividades profissionais que passavam despercebidas em tempos normais, nessa crise se apresentam como essenciais e de suma importância para evitar a propagação do corona vírus.
Os porteiros e agentes de portarias controlando o fluxo de pessoal externo e os faxineiros zelando pela limpeza das áreas comuns são de suma importância para minimizar os efeitos da propagação do vírus nas grandes aglomerações de moradores, das pequenas cidades que são os condomínios residenciais das cidades do DF (aproximadamente 500 mil pessoas).
Os motoboys com as entregas de remédios, de encomendas e de alimentação nas residências, evitam que as pessoas saiam às ruas diminuindo a possibilidade de contato entre elas.
Os funcionários de mercadinhos, supermercados, padarias e lojas de conveniência estão na linha de frente para garantir que o desespero pela falta de abastecimento com alimentação, produtos básicos de limpeza e higiene não venha agravar ainda mais a ansiedade de quem está cumprindo o isolamento social determinado pelas autoridades.
Esses postos de trabalho e mais as farmácias, oficinas mecânicas, postos de gasolina, borracharias e outros segmentos estão abertos não por desprezo das autoridades em relação aos trabalhadores. É por reconhecimento da importância do serviço prestado por eles para a sociedade.

No momento, o conselho mais importante veio do Ministro da Saúde, o médico ortopedista Luiz Henrique Mandetta: CALMA.
É o que todos nós precisamos ter, muita calma.
Não é o momento de ideologização da crise e nem de polarização entre poderes, povo e imprensa.
É O MOMENTO DE PENSAR NA SOBREVIVÊNCIA...



© Folha da Comunidade DF - 2015 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo