SAÚDE NO DF – Governo anuncia pacote de benfeitorias


O Governo do Distrito Federal anuncia uma série de boas notícias para a saúde da capital.


De contratação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para atender mais pacientes até parceria para construção de polo farmacêutico, os frutos de uma reunião entre o governador Ibaneis Rocha e o secretário Osnei Okumoto prometem beneficiar toda a população da capital.
Ao todo, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) garantiu 23 novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) credenciados em hospitais privados da capital. São 19 no Hospital Santa Marta e quatro no Anna Nery, ambos em Taguatinga.

A medida, segundo o titular da pasta, beneficiará especialmente os pacientes renais que precisam de hemodiálise. “São os mais necessitados porque são poucos os leitos na rede pública para este fim”, explica.

CONFIRA A DISTRIBUIÇÃO DOS NOVOS LEITOS:

HOSPITAL SANTA MARTA:
5 leitos neonatais
5 leitos pediátricos
5 leitos de hemodiálise
4 leitos cardiológicos

HOSPITAL ANNA NERY:
4 leitos de hemodiálise

Além disso, está em processo de negociação a contratação de vagas para ressonância magnética no Hospital Santa Marta. Okumoto explica que a pasta já solicitou o credenciamento e agora faz os trâmites internos para finalizar o procedimento e garantir mais acesso à população. O GDF também fechou contrato com duas empresas que realizarão cirurgias do mutirão de cataratas.

INDÚSTRIA FARMACÊUTICA
Está encaminhada a criação de uma indústria farmacêutica no Distrito Federal. A área já foi definida junto à Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap), na região da Biotic, e o processo obedece às formalidades para lançamento do edital de parceria público-privada (PPP).
A empresa ou o consórcio selecionado deve ser responsável pela obra e transferência de tecnologia. A intenção, segundo o secretário Osnei Okumoto, é “tentar produzir o máximo do que é usado na rede pública, promovendo autossuficiência e redução de custos”.

SERVIDORES
Aos servidores, a boa notícia vem em dupla. O governador Ibaneis Rocha anunciou a nomeação de 33 médicos aprovados no concurso de 2018, entre pediatras, médicos da família, fisiatras e emergencistas e redigiu um decreto que aumenta o prazo para usufruir o banco de horas dos servidores da Secretaria de Saúde.


Além do governador e do secretário, participaram da reunião o secretário-adjunto de Gestão Sérgio Costa, o diretor do Instituto Hospital de Base (IHB) Francisco Araújo e a secretária adjunta de Assistência à Saúde Renata Rainha.

Fonte: Agência Brasilia

DIABETES TIPO2 - Cirurgia é opção de tratamento para pacientes no DF


Os pacientes do Distrito Federal diagnosticados com Diabetes Tipo 2 (DMT2) têm uma nova chance de tratamento da doença. Regulamentada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), a cirurgia metabólica -  uma variação da cirurgia bariátrica usada na obesidade -  passou a ser indicada como opção no tratamento da DMT2 para pacientes que possuem Índice de Massa Corporal entre 30 Kg/m2 a 35 Kg/m2.



Dados da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) de 2016 estimam que 8,9% da população acima dos 18 anos no Distrito Federal são acometidas pelo diabetes, o que equivalente a 260 mil brasilienses. Desses, aproximadamente 70% recebem assistência da Secretaria de Estado da Saúde do Distrito Federal (SES/DF).

O objetivo é a identificação precoce da doença e a intervenção adequada, por meio do incentivo à alimentação saudável, prática de atividade física, automonitorização do açúcar no sangue, além da prescrição de medicamentos e insulinas, para que os sintomas que interferem na qualidade de vida e as complicações de longo prazo sejam minimizados.

No entanto, apesar do acompanhamento periódico dos médicos e o uso de novas medicações, mais da metade dos doentes não conseguem o controle da doença, mesmo tomando uma boa medicação.

“A cirurgia metabólica deve ser considerada como uma opção para tratar o Diabetes Tipo 2 em pacientes com obesidade grau 1, com a doença mal controlada apesar do tratamento médico”, afirmou o presidente do Capítulo do Distrito Federal da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), Luiz Fernando Córdova.

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM) acaba de lançar uma campanha inédita no Brasil.
Com o slogan “Cirurgia Metabólica, uma Nova Vida para pacientes com Diabetes Tipo 2”, o objetivo é informar a população sobre as causas, riscos e tratamentos para a Diabetes Tipo 2 (DMT2). O site da campanha já está no ar.
Acessando www.vidanovametabolica.org.br  é possível encontrar todas as informações à respeito da doença.

EFEITOS DA CIRURGIA METABÓLICA
Um estudo recente feito no Brasil mostrou que a cirurgia pode auxiliar o combate a este tipo de diabete em pessoas com obesidade leve.  O trabalho, publicado na revista Diabetes Care, da Associação Americana de Diabete, avaliou 66 pacientes com obesidade moderada (índice de massa corporal entre 30 e 35 kg/m²).

Cerca de 90% dos participantes tiveram remissão do diabetes – os médicos não costumam falar em cura. Depois de um período que variou de 3 a 26 semanas, eles deixaram de utilizar remédios orais e, desde a cirurgia, os sintomas não retornaram. Nos demais pacientes, mais de 11% registraram melhora no controle de açúcar no sangue. Todos os pacientes avaliados passaram por uma cirurgia conhecida como bypass gástrico, o mais popular tipo de cirurgia bariátrica no mundo.

CASOS DE SUCESSO

O casal Francimar Ferreira de Lima, 44 anos, e Ana Cristina Bezerra Lima, 45 anos, conviveram com o diabetes e medicamentos por muitos anos e encontraram no método cirúrgico a qualidade de vida.

Francimar foi diagnosticado com diabetes há 12 anos e só descobriu a doença após ser hospitalizado. A crise de glicemia no sangue atingiu o pico de 700 mg/dl, quando o valor considerado normal é menor que 99 mg/dl. Ele chegou a ser internado outras duas vezes e já sofria com retinopatia diabética, uma das consequências da diabetes que pode levar à cegueira. O pâncreas já quase não produzia insulina. Ele convivia com duas aplicações diárias de insulina injetável e medicamentos para controlar o diabetes antes do procedimento.

Ana Cristina, que chegou a pesar 129 quilos, enfrentava o descontrole da glicemia e outros doenças associadas ao excesso de peso a pelo menos 2 anos. O ganho de peso, no caso dela, aconteceu após a terceira gravidez a cerca de 20 anos. Seu nível de glicemia no sangue registrava, em média, 160 mg/dl. Ela foi submetida à cirurgia metabólica há um ano e seis meses, hoje pesa 69 quilos e está no estágio de remissão do diabetes em que nenhum medicamento é necessário para controlar a glicemia.

“[Após a cirurgia] Quando eu fui ao endócrino ele falou para suspender a medicação. Parei de imediato e o meu nível de glicemia é hoje de 90 [mg/dl]”, conta Ana.

Já Francimar foi submetido à cirurgia metabólica seis meses depois da esposa. Ele chegou a pesar 87 quilos. Hoje está mantém 67 quilos.
Além da perda de peso, a cirurgia o deixou livre das aplicações de insulina e o controle da doença hoje é feito apenas com doses menores de medicamentos. O procedimento também colaborou para o controle do índice de triglicérides e a hipertensão.
 “Eu tenho um único arrependimento muito grande que é não ter feito antes. A minha vida melhorou muito. Eu sou uma pessoa mais disposta, me sinto melhor, consigo fazer exercícios. Se eu tivesse feito antes eu não teria vestígios da diabetes, mas estou satisfeito com os resultados e meus exames mostram os percentuais praticamente de uma pessoa que não tem diabetes”, conta Francimar.

 A cirurgia metabólica foi liberada para pacientes com IMC como o dele após portaria publicada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) em 2017.

“A medicina não fala de uma cura para o diabetes e sim de um controle dos níveis glicêmicos em que o paciente não sofre as consequências da doença, como a retinopatia diabética de Francimar, problemas vasculares, cardíacos, renais e hepatológicos”, explica Córdova.

A CIRURGIA NA REDE PÚBLICA
A Secretaria de Estado da Saúde do Distrito Federal (SES-DF) vai normatizar a realização da cirurgia metabólica – destinada aos pacientes com Diabetes Tipo 2 - para a rede pública do estado. Foi publicada no Diário Oficial do Distrito Federal  uma portaria instituindo o Grupo de Trabalho que será responsável por desenvolver o serviço de cirurgia metabólica na SES-DF.

A portaria publicada considera que o Conselho Federal de Medicina reconheceu, através da resolução 2.172/2017, a cirurgia metabólica como opção terapêutica para pacientes portadores de diabetes mellitus tipo 2 (DM2), com Índice de Massa Corporal (IMC) entre 30 kg/m2 e 34,9 kg/m2, desde que a doença não tenha sido controlada com tratamento clínico.

Fonte: Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM)

Assessoria de Imprensa



BRASÍLIA 60 ANOS - Paula Belmonte pensa em 2020


A deputada federal Paula Belmonte (Cidadania-DF) sugeriu a criação de comissão suprapartidária da bancada do DF para discutir o aniversário de 60 anos da capital federal, que acontecerá em 2020.


Na tribuna da Câmara dos Deputados, Paula relembrou o pior momento político-institucional da história de Brasília, em 2009, quando políticos do primeiro escalão do governo foram denunciados e presos por um esquema de corrupção. "Quero lembrar que o Distrito Federal viveu uma crise político-institucional sem precedentes no seu cinquentenário e que marcou profundamente a nossa cidade. É tempo de reescrever essa história", ressaltou durante o discurso. 

Para Paula Belmonte, a data é comemorativa, mas também de reflexão. É necessário gerar espaço aos cidadãos que garantem o desenvolvimento da capital federal e dar a devida atenção às crianças e jovens, para que tenham qualificação profissional. 

A sessão foi fruto de requerimentos dos parlamentares da bancada do DF. Paula Belmonte apresentou o REQ 483/2019.



DESAFIO
Muito perto do Congresso Nacional há famílias enfrentando a pobreza e a falta de creches, há crianças sofrendo violência e jovens sem emprego e sem perspectiva. "Não é essa a cidade que queremos para as novas gerações de brasilienses", declarou a parlamentar. Mas Paula Belmonte ressaltou que, apesar das dificuldades, Brasília continua sendo a capital da esperança para aqueles que buscam melhores condições de vida. 

De acordo com o Instituto de Geografia e Estatística (IBGE), Brasília está, até hoje, entre as cidades que mais crescem no País. "Já somos mais de quatro milhões de habitantes, se considerarmos a região metropolitana", destacou a deputada federal. 

Compareceram à cerimônia autoridades e cidadãos ícones de Brasília, pessoas que fazem parte da história. Senadores, grandes empresários e a comunidade em geral prestigiaram o momento.

Fonte: ASSESSORIA DE IMPRENSA - Deputada Federal Paula Belmonte (PPS-DF)


50% DE DESCONTO EM MEDICAMENTOS


Os senadores aprovaram um projeto de lei que dá desconto de 50% a aposentados e pensionistas na compra de medicamentos.

A regra valeria para os cidadãos que ganham até o teto estabelecido pelo Regime Geral da Previdência Social (RGPS), que é de R$ 5.839,45. O projeto, que foi aprovado na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), segue agora para a Câmara dos Deputados.

Desde 2004, o programa Farmácia Popular já garante à população de todo o país medicamentos de graça ou com descontos de até 90%. Os remédios para hipertensão, diabetes e asma são fornecidos gratuitamente. Já os anticoncepcionais, fraldas geriátricas e remédios para o colesterol são subsidiados pelo governo. O programa, que está presente em mais de 80% dos municípios, beneficia cerca de 43 milhões de pessoas.

Segundo o senador Paulo Paim (PT-RS), o projeto surgiu de uma demanda de aposentados e pensionistas do Rio Grande do Sul, que se somaram a outros, em nível nacional. Para o autor da proposta, uma lei como essa é de extrema importância, já que os gastos dos aposentados com medicamentos são muito altos.



De acordo com a relatora, senadora Mailza Gomes (PP-AC), a medida é justa e necessária e vai trazer melhor qualidade de vida para essa parcela da população.



Se o projeto de Lei do Senado for aprovado pelos deputados, a legislação passa a valer 180 dias após sua publicação no Diário Oficial da União.

Fonte: Agência do Rádio - Cinthia Moreira


DRONES PARA VISTORIAS DE SINISTROS


A Porto Seguro, iniciando mais uma inovação no mercado de seguros, começa a realizar o processo de vistoria com uso de drones para determinadas situações após sinistros em imóveis residenciais e empresariais.


O Distrito Federal e Goiás são as primeiras regiões a operarem com a novidade, que contribui para maior agilidade e segurança para o cliente e dos prestadores de serviço em casos de sinistros nestes locais. 

A iniciativa, que reforça o compromisso da Porto Seguro com a inovação e melhora contínua de seu atendimento aos clientes, parceiros e Corretores, otimiza o tempo de todos os envolvidos em um sinistro para a averiguação dos danos causados ao local.

“O que antes só poderia ser feito com equipamentos de proteção, andaimes, escadas e outros acessórios para chegar em ambientes de difícil acesso, agora pode ser feito por drones. A tecnologia permite averiguar o sinistro com menor tempo, além de maior segurança”
Claudio Cruz
Superintendente de Sinistros Patrimoniais e Financeiros da Porto Seguro.

A implementação dessa novidade deve contribuir para a checagem de sinistros no seguro residencial e empresarial, como desmoronamentos e quebras de telhados, duas modalidades que registraram crescimento em 2018 na Porto Seguro.

O Distrito Federal e Goiás serão as primeiras regiões a receberem os drones, pois são estratégicas para a Porto Seguro nessas modalidades.
Segundo o IBGE, o DF foi a unidade de Federação com maior crescimento populacional de 2012 a 2017. A região ampliou 11,4% o seu número de habitantes e contribuiu para que o Distrito Federal atingisse mais de 3 milhões de pessoas, se tornando a quarta maior capital do país. Além disso, o DF teve quase o dobro da média nacional de renda domiciliar per capita no Brasil. Goiás também é um estado com constante crescimento populacional. Em 2017, os dados do IBGE apontaram para um crescimento de 1,24% de habitantes em relação ao ano anterior e com destaque para a renda domiciliar, que representa a oitava maior do país.

Em 2018, a Porto Seguro fez alguns ajustes operacionais na comercialização dos Seguros Patrimoniais, além de campanhas de vendas e reformulação na oferta de benefícios. Esses fatores foram significativos para o crescimento de 4% nos prêmios consolidados dos ramos patrimoniais da Porto Seguro no ano.

“Para 2019, as expectativas são positivas, já que o mercado de seguros como um todo ainda mantém boas possibilidades e expansão no Brasil. Para atender a essa demanda do setor, é que buscamos o que há de mais inovador e tecnológico no mercado como o uso de drones na averiguação de sinistros”.
“A expansão para outros estados deve acontecer em breve, mas ainda não há um calendário definido. As estatísticas de atendimentos a partir dessa implementação, direcionarão os próximos passos para a ampliação geográfica da iniciativa”.
 Claudio Cruz
Superintendente de Sinistros Patrimoniais e Financeiros da Porto Seguro.


PORTO SEGURO
A Porto Seguro é uma empresa brasileira com mais de 70 anos de mercado e está entre as maiores seguradoras do País, ocupando a primeira posição nos ramos de Seguro Auto e Residência. Atualmente, são quase 20 milhões de clientes, 13 mil funcionários, 16 mil prestadores e 35 mil corretores parceiros. A companhia tem ainda 103 sucursais e escritórios regionais em todo o Brasil. O Grupo Porto Seguro é formado por 27 empresas – entre elas Azul Seguros e Itaú Seguros de Auto e Residência - que atuam nos mais diversos ramos como seguros, produtos financeiros, serviços de emergência e conveniência, proteção e monitoramento, plano de saúde para Pets, entre outros. Em 2018, o lucro líquido da companhia foi de R$ 1,3 bilhão.

Fonte:
Imagem Corporativa



CÂMARA EM MOVIMENTO - Primeira edição será no Recanto


O Recanto das Emas vai ser a primeira cidade do Distrito Federal a receber o projeto Câmara em Movimento em 2019.
Foto: Agência Brasilia 

Na programação, no sábado, dia 13 de abril, técnicos da Câmara Legislativa realizam "oficina de líderes" com representantes da comunidade, para levantar e eleger as prioridades dos moradores.
Nos dias 16 e 17 de abril, em sessões itinerantes da Casa na cidade, as lideranças comunitárias vão apresentar suas demandas e reivindicações aos deputados e representantes do governo presentes.

O projeto, que em 2019 vai manter o formato adotado nos últimos, envolve três etapas principais: levantamento das prioridades dos moradores; apresentação e discussão das demandas em sessões externas da Câmara, e prestação de contas sobre o encaminhamento dado às reivindicações.
Este ano, a segunda fase do Câmara em Movimento será realizada – diferentemente das edições anteriores – em dois dias.
O objetivo, segundo a Assessoria de Comunicação da CLDF,  é garantir mais espaço para os moradores se comunicarem, de forma direta, com parlamentares, secretários de governo e administrador regional.
Entre os diversos problemas da cidade, que sempre foi esquecida e desprezada pelos governos anteriores, com certeza a população vai levantar e apontar o caos que é o transito na entrada da Região Administrativa.

Independente do horário, é comum o engarrafamento quilométrico na entrada do Recanto da Emas, que começa no balão de acesso e se estende até o viaduto da Samambaia.

FAKE NEWS SOBRE CÂNCER - um desafio para os médicos


Notícias falsas atrapalham tratamentos e diagnósticos


Ter silicone faz com que a mulher tenha mais chances de ter câncer de mama, existem combinações de remédios de farmácia que substituem a quimioterapia, há cremes, pomadas ou chás que podem curar o câncer. 
Todas as afirmações acima são falsas, mas são propagadas na internet como verdadeiras. 

Por isso, a Oncologia D’Or aproveita o Dia Mundial de Combate Câncer (8 de abril) para alertar sobre o impacto das fake news no tratamento e diagnóstico da doença.  Se por um lado a internet facilitou o acesso à informação, por outro apresenta o desafio da veracidade de muitos conteúdos que circulam na web. Como resultado da desinformação, há casos de pacientes que abandonaram o tratamento convencional e o acompanhamento médico por conta de notícias falsas.

Diariamente os médicos precisam lidar com o desafio de mostrar ao paciente que muito do que eles leem na internet não é verdadeiro.
O oncologista Daniel Herchenhorn explica que o paciente está, na maioria das vezes, em uma situação de vulnerabilidade, e, por isso, acaba acreditando em terapias alternativas, que não têm qualquer comprovação científica, mas que prometem milagres.
Ele cita o exemplo de falsas notícias sobre alimentos capazes de operar verdadeiros milagres.
"Alguns são inofensivos, porém outros podem conter substâncias incompatíveis com o estado físico do paciente e trazer prejuízos à sua saúde".

Um ponto fundamental é sempre checar a fonte da notícia.
Informações adquiridas a partir de sites de hospitais de referência são sempre mais confiáveis. É preciso ter uma postura mais crítica e questionar se aquela fonte é confiável.
"Na dúvida, enquanto não for possível confirmar a veracidade, o melhor a fazer é não compartilhar. Por fim, devemos ter mais confiança nos profissionais de saúde. Não pode ser razoável acreditar em uma publicação qualquer que se lê na internet em detrimento do conhecimento e experiência do seu médico”.
DANIEL HERCHENHORN
Oncologista


SOBRE A ONCOLOGIA D'OR
Criada em 2010, a Oncologia D'Or é formada por clínicas especializadas no diagnóstico e tratamento oncológico e hematológico com padrão de qualidade internacional, sem abrir mão da humanização em todo o trabalho de assistência.
Com uma rede de mais de 40 unidades, conta com mais de 300 médicos especialistas, atuando em sete estados brasileiros. É uma empresa da Rede D'Or São Luiz.

© Folha da Comunidade DF - 2015 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo