POLICIAL CIVIL DE TAGUATINGA recebe homenagem em Minas Gerais

“Quando eu conheci a filosofia de Polícia Comunitária, eu descobri a minha missão dentro da Polícia Civil”.
Deise Luci de Andrade
Agente de polícia.

Foi graças a essa atenção à comunidade, um cuidado que mantêm por mais de 18 anos de trabalho na Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), que a agente de policia Deise Luci de Andrade foi agraciada com o colar Marechal Deodoro da Fonseca.
Idealizada pela Ordem dos Cavaleiros da Inconfidência Mineira, uma das mais importantes instituições cívicas e filantrópicas de Minas Gerais, a honraria é entregue anualmente a pessoas que, atuando na área de Segurança Pública, prestaram significativos serviços junto à sociedade e deixaram para a posteridade sua marca.
Deise está trabalhando na 17ª DP, em Taguatinga. Além de ser uma das poucas mulheres agraciadas com a insígnia, durante a cerimônia realizada em Belo Horizonte, e em meio a homenageados de todo o país, a agente foi representante quase exclusiva do Distrito Federal, junto com um militar do Exército.

PIONEIRISMO
A indicação da policial civil ao prêmio ocorreu por conta da distinção do trabalho realizado, sobretudo quanto à Polícia Comunitária, conceito que, de forma pioneira, levou à instituição e que norteou toda sua carreira.
“Foi uma felicidade enorme”, conta Deise, que enxerga o recebimento da homenagem como um reconhecimento da história que tanto batalhou para construir.
“Eu lutei muito por essa filosofia de Polícia Comunitária na instituição, enfrentando preconceito, desconfiança, descrença, mas sem nunca deixar de acreditar na importância da nossa integração com a comunidade”.
“Esse trabalho é a expressão máxima do que a Constituição fala em responsabilidade de todos, afinal a Segurança Pública não é apenas responsabilidade da Polícia”, analisa a agente de polícia.
“Por isso, é tão importante oportunizarmos à população falar sobre Segurança Pública”, completa.

TRAJETÓRIA
Segundo Deise, logo que entrou na PCDF, em 1999, ela conheceu o conceito de Polícia Comunitária – que preconiza a integração entre a instituição policial e a comunidade. A ideia dessa filosofia é que, sempre em conjunto com as pessoas que vivem na região, os policiais possam identificar, priorizar e buscar a resolução para os problemas locais de criminalidade e violência.

Em 2003, por meio de projetos-pilotos em três cidades – Recanto das Emas, Candangolândia e Cruzeiro –, o Governo do Distrito Federal (GDF) iniciou o Programa de Segurança Comunitária do DF, que integrava diversos órgãos de Segurança Pública e Defesa Social. E, em 2005, foram criadas a Divisão de Polícia Comunitária e as seções de Polícia Comunitária em todas delegacias circunscricionais.

Bem antes disso, no entanto, ainda no ano de 2002, Deise já tinha dado início a um trabalho sistematizado nesse sentido, com a criação do Núcleo de Polícia Comunitária na 23ª Delegacia de Polícia (DP). Na ocasião, foram firmadas 30 parcerias e agregados mais 60 voluntários que participavam de projetos voltados principalmente a crianças, jovens e idosos – desde cursos de alfabetização voluntária a palestras sobre diversos temas.

A iniciativa chegou a promover, inclusive, o encaminhamento de jovens envolvidos com drogas para casas de recuperação e dos pais para acompanhamento psicológico.
Para a agente de polícia, essa abertura da delegacia à comunidade tem um grande potencial para modificar a realidade do local. Ela lembra que, em casos em que a investigação estava estagnada, por exemplo, essa proximidade facilitou o trabalho policial, com a obtenção de informações de pessoas da região.

Em 2005, como a primeira chefe de Polícia Comunitária da 27ª DP, encabeçou uma grande mobilização para que, na época, fosse feito o asfaltamento do Recanto das Emas.
“Foram feitas diversas reuniões com o governo, além de abaixo-assinados, porque a gente entendia que a mobilidade daquela comunidade e também dos policiais facilitaria o atendimento das ocorrências, contribuindo para a redução da violência no local, além do impacto direto na qualidade de vida da população”, ressalta.

Ainda na 23ª DP, foi desenvolvido o primeiro trabalho referencial de atendimento ao idoso na PCDF – reconhecido pelo Conselho do Idoso do DF. Já o trabalho desenvolvido na 27ª foi eleito, na ocasião, como umas das 12 melhores práticas policiais do país em Polícia Comunitária, pela ONG Viva Rio e a Fundação Konrad-Adenauer.
Agora, o colar Marechal Deodoro da Fonseca será mais um entre os inúmeras certificados e diplomas de honra ao mérito que Deise Luci acumula.

DEDICAÇÃO
Atuando, hoje, na Seção de Atendimento à Mulher da 17ª DP, em Taguatinga Norte, e há cerca de três anos da aposentadoria, ela continua dando exemplo de dedicação e amor à profissão, bem como de defesa dos princípios e crenças que traz consigo.
“Uma Polícia focada na interação com a comunidade é uma polícia moderna e, acima de tudo, cidadã. É uma instituição do estado democrático de direito, onde o cidadão tem voz e vez e que, de fato promove a paz social. É isso que defendo”, pontua Deise, ressaltando que vê o trabalho de policial civil como um grande privilégio e uma imensa responsabilidade.
“Eu tenho orgulho de ser policial, tanto porque sempre tive esse sonho quanto porque foi Deus que me colocou aqui”, encerra.

SINPOL-DF

O Sindicato dos Policiais Civis do Distrito Federal (Sinpol-DF) foi criado em 19 de dezembro de 1988 e, ao longo dessas quase três décadas, firmou-se como a entidade representativa da carreira que integra a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). Conforme estabelecido no Estatuto Social, o Sinpol-DF atua na coordenação, defesa e representação legal dos agentes de polícia, escrivães, agentes policiais de custódia, peritos criminais, peritos médicos legistas e papiloscopistas policiais.

Fotos: Lucas Ribeiro/Sinpol-DF

UM JEEP COMPASS sorteado entre os clientes no Natal do DF Plaza

Em sua primeira campanha de Natal, o DF Plaza sorteará um Jeep Compass Sport automático entre seus clientes.



Intitulada Circo Troca Notas, a iniciativa oferecerá um cupom de sorteio a cada R$ 300 reais em notas fiscais. De segunda a quarta-feira, os cupons serão duplicados.
Para participar, o cliente deverá trocar suas notas nos guichês localizados no térreo do shopping (Espaço Coworking), preencher os cupons adquiridos e depositá-los nas urnas. A campanha é válida até o dia 06 de janeiro de 2018, com sorteio realizado no dia 07 do mesmo mês.

 “O DF Plaza Shopping inaugurou este ano e realizaremos o nosso primeiro Natal com a expectativa de que o cliente se surpreenda. Além do mix de lojas, oferecemos uma série de promoções criadas pelos lojistas para conquistar os consumidores”, destaca o coordenador de Marketing, Judá Cardoso.


Circo Troca Notas – DF Plaza
Período: 09/11/2017 a 06/01/2018
Sorteio: 07/01/2018

SOBRE O DF PLAZA
O DF Plaza reúne em um só lugar compras, lazer, serviços e uma área gastronômica a céu aberto, com paisagismo e luz natural. Um espaço criando para proporcionar encontro com as famílias e amigos. O maior shopping de Águas Claras abriu as portas no último dia 19 de setembro de 2017 com cerca de 160 lojas, nos segmentos de vestuário masculino e feminino, calçados e bolsas, gastronomia fitness e serviços.


ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO – DF PLAZA  
Proativa Comunicação


GÁS DE COZINHA - Alta do produto pressiona o orçamento familiar

Desde junho, esse é o sexto aumento. 



O botijão de  até 13 kg, envasado pelas distribuidoras, vem sendo reajustado mensalmente, principalmente, em função da alta das cotações do produto nos mercados internacionais, chegando a um acumulado de quase 70%. 

Segundo o professor de economia da Faculdade Presbiteriana Mackenzie Rio, Marcelo Anache, trata-se de um dos itens que mais pesa no orçamento da família brasileira:

“Esse ciclo de alta recente em tão pouco tempo está tendo um impacto grande no dia a dia das pessoas e desequilibrando o orçamento das famílias, principalmente, as mais pobres. Dessa forma, o gás de cozinha está tomando um espaço cada vez maior nos gastos e se tornando um vilão no orçamento doméstico. Como não tem como economizar muito no gás de cozinha, as pessoas estão tendo que fazer malabarismo e abrir mão de outras coisas para não ficar sem cozinhar. Somando os aumentos recentes nas tarifas de energia elétrica e combustível, o aumento do gás gera um peso extra na conta do fim do mês”. 

SOBRE O MACKENZIE
A Universidade Presbiteriana Mackenzie está entre as 100 melhores instituições de ensino da América Latina, segunda a pesquisa QS Quacquarelli Symonds University Rankings, uma organização internacional de pesquisa educacional, que avalia o desempenho de instituições de ensino médio, superior e pós-graduação.


RADIOTERAPIA NO DF - Dificuldade para conseguir é tema de audiência pública

A fim de debater a necessidade de estruturação dos serviços de saúde no Distrito Federal, especialmente para atender quem precisa de tratamento radioterápico, a Defensoria Pública da União (DPU) e a Defensoria Pública do Distrito Federal (DPDF) promovem, no dia 14 de dezembro, audiência pública com o tema O Tratamento de Radioterapia no Distrito Federal. 
O evento acontece na sede da DPU em Brasília, das 14h às 17h, e é aberto ao público.


Na audiência, serão discutidos os principais problemas enfrentados pela população carente da capital federal para conseguir acesso ao tratamento radioterápico no Sistema Único de Saúde (SUS). A partir das contribuições da sociedade civil, as Defensorias devem definir objetivos prioritários de atuação, além de estratégias e programas de ação relacionados ao tema.

As informações coletadas durante o evento também devem ajudar a reforçar os argumentos da DPU e da DPDF na ação civil pública (ACP) proposta pelas instituições em outubro deste ano, que busca resguardar os direitos dos pacientes desassistidos pela rede pública de saúde. A ação tramita na 21ª Vara Federal da Seção Judiciária do Distrito Federal.

"No DF, há uma fila com mais de 800 pessoas esperando pelo tratamento. A demora na realização da radioterapia põe em risco a própria utilidade do procedimento para a recuperação dos pacientes, diminuindo sua expectativa de vida, razão pela qual a DPU e a DPDF propuseram conjuntamente esta ação. A audiência pública visa à coleta de mais elementos fáticos e técnicos, por parte de especialistas e movimentos sociais, com vistas a subsidiar o máximo possível a futura decisão judicial".
Alexandre Mendes.
Defensor regional de direitos humanos no Distrito Federal

Interessados em participar da audiência pública têm até o dia do evento, 14 de dezembro, para preencherem o formulário de inscrição disponível no portal da Defensoria Pública da União. As vagas são limitadas à capacidade do auditório (350 pessoas)

Serviço
Audiência Pública O Tratamento de Radioterapia no Distrito Federal
Dia: 14/12/2017
Horário: das 14 às 17h.
Local: Auditório do Centro Empresarial CNC – SAUN, Quadra 5, Lote C, Bloco C, Brasília/DF (sede da Defensoria Pública da União).
Inscrições: devem ser realizadas até a data do evento via formulário disponível no portal da DPU.
Vagas limitadas à capacidade do auditório (350 pessoas).


CORRUPÇÃO E MÁ GESTÃO - Chico Leite lança três novas frentes de combate

 “Vamos buscar o apoio não apenas dentro da Casa, mas também em todos os setores da sociedade”

O deputado Chico Leite (Rede Sustentabilidade), atual ouvidor da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), anunciou, em recente sessão na Tribuna da Casa, três novas frentes de combate à corrupção e em defesa do interesse público.
O parlamentar propôs um Projeto de Resolução (PR nº 54/2017), um Projeto de Lei (PL nº 1806/2017) e uma Proposta de Emenda à Lei Orgânica do DF (PELO 97/2017)


Em linhas gerais, a primeira iniciativa visa a implantação de um Programa de Integridade Pública no âmbito do Poder Legislativo, a segunda propõe que o Poder Executivo só realize negócios com empresas que comprovarem adotar mecanismos de compliance e a terceira, tem como objetivo tornar obrigatória, com a inclusão na Lei Orgânica do DF, a adoção desses mesmos mecanismos por parte de toda a administração pública. 




A palavra compliance vem do inglês e significa agir em conformidade com as regras, aceitar um pedido ou comando.

Quando levado para a esfera social, compliance, ou regulatory compliance (conformidade regulatória, em tradução livre), significa os objetivos que as organizações aspiram alcançar em seus esforços para garantir que elas sejam conscientes e tomem medidas para cumprir as leis, políticas e regulamentos. Um programa deste tipo envolve a previsão de mecanismos internos de integridade, auditoria e incentivo à denúncia de irregularidades, bem como a aplicação efetiva de códigos de ética e de conduta. De forma direta, significa ações claras e periódicas com vistas a transparência e a ética por parte de agentes públicos.



PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 54/2017
Dispõe sobre a instituição do Programa Integridade Pública da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF).
O objetivo central da medida é prevenir, identificar e reportar desvios de conduta, irregularidades e práticas de fraude e atos ilícitos. Por meio de uma série de ações e medidas, tais como a implantação de um código de ética e conduta, criação de políticas internas de padronização de procedimentos, ações de comunicação e treinamento, fomento aos canais de denúncia, entre outras, pretende-se elevar o nível de integridade no serviço público e desenvolver uma cultura organizacional baseada em padrões de conduta ética e proba, fomentar a eficiência e o aumento da qualidade na prestação do serviço público e promover o aumento da confiança da sociedade no Distrito Federal e em suas instituições.

PROJETO DE LEI Nº 1806/2017

Dispõe sobre a obrigatoriedade da implantação do Programa de Integridade nas empresas que contratem com a Administração Pública do Distrito Federal, em todas as esferas de Poder. O objetivo é que todas as empresas que queiram celebrar contrato, consórcio, convênio, concessão ou parceria com o Poder Público possuam programa de integridade, que consiste em um conjunto de mecanismos e procedimentos internos de integridade e auditoria, controle e incentivo à denúncia de irregularidades e na aplicação efetiva de códigos de ética e conduta.

PROPOSTA DE EMENDA À LEI ORGÂNICA Nº 97/2017
Acrescenta o paragrafo 15 ao artigo 19 da Lei Orgânica do Distrito Federal, dispondo sobre o Programa de Compliance Público. Segundo o novo item proposto, “os órgãos dos Poderes do Distrito Federal criarão Programa de Compliance Público, com o objetivo de avaliar, direcionar e monitorar a gestão pública, mediante avaliação de riscos, e prevenir, identificar e reportar desvios de conduta, irregularidades e prática de ilícitos” visando o interesse público e o combate efetivo de todas as formas de corrupção.

Por: Rodrigo Ramthum



SUMMIT ANTIPIRATERIA & CONTENIDOS vem ao Brasil pela 1ª vez

Pela primeira vez no Brasil, o Summit Antipiratería & Contenidos acontece no dia 29 de novembro, em Brasília.


O encontro é organizado pela TodoTVMedia e pela Latin America Anti-Piracy & Intellectual Property Consulting (LAAPIP). O evento, que abrange o cenário de toda América Latina, reuniu ao longo de 12 edições mais de 1.500 participantes e 150 palestrantes, com mais de 15 países representados. Além de Brasília, este ano o evento esteve em outras capitais da América Latina como Lima, no Peru; Cidade do México; Buenos Aires na Argentina e Bogotá na Colômbia.

A ideia é reunir os principais programadores e operadores de TV paga, autoridades, órgãos regulatórios e representantes políticos para debater, na mesma mesa, diferentes pontos de vista sobre o combate à pirataria.
Na edição brasileira, já estão confirmados o Ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão; o diretor da Agência Nacional do Cinema (Ancine), Christian de Castro Oliveira; Antonio Barreto, general manager da Turner; Michel Piestun, vice-presidente sênior e general manager da Fox Networks Group; além de Vitor Elisio Menezes superintendente de Outorga e Recursos à Prestação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).
A Associação Brasileira de Televisão por Assinatura (ABTA) modera o painel “Os efeitos da Pirataria na Indústria”.

Francisco Escutia, diretor executivo do LAAPIP e coordenador acadêmico do evento, e o CEO da TodoTVMedia Sebastian Lateulade também participam da versão brasileira do encontro. Para Escutia, esta edição é representativa porque o Brasil "é um dos territórios mais importantes para a indústria audiovisual desta região e do mundo. No Brasil se produz um amplo conteúdo, séries, filmes, novelas, e outros, e é importante proteger esses produtos contras diferentes formas de pirataria. A distribuição ilegal pela web acontece de forma ampla, e devemos discutir mecanismos para o desenvolvimento de ferramentas de curto, médio e longo prazos".

A nova edição do Summit Antipirataria & Conteúdo Tour em Brasília tem apoio da TAP - Television Association of Programmers Latin America; FOX Networks Group Latin America, LaLiga de España, Motion Pictures Association of Americas (MPAA) e HBO Latin America Group.


SERVIÇO - www.ttvsummit.com
Summit Antipirateria & Contenidos Tour 2017 – Brasília
Data:  29 de novembro
Horário: das 8h às 15h
Local:  Royal Tulip Alvorada
Endereço: SHTN Trecho 1 - Asa Norte, Brasília - DF

SOBRE TODOTVMEDIA
TodoTVMedia é uma empresa de mídia especializada na indústria de televisão e entretenimento. Foi criada em 2004 com o propósito de informar as últimas notícias do negócio de TV aberta e paga globalmente. A TodoTVMedia publica as revistas Todotv e TTV, e as segmentadas ComottvTelenovelas, TtvFormats, TtvFilms & Series e TtvKids & Teens. Também publica cinco diretórios anuais: Yearbook de Programadores e Sinais, Yearbook de Distribuidores, Guia OTT, Guia AdSales e Relatório Anual Antipirataria. Também mantem a plataforma digital todotvnews.com, que atinge mais de 25 mil executivos em todo o mundo, todos os dias.

SOBRE LAAPIP
A LAAPIP - Latin America Anti-Piracy & Intellectual Property Consulting - é uma consultoria especializada na América Latina, que ajuda a identificar e proteger contra qualquer ato ilegal que viole os direitos de propriedade intelectual de indivíduos ou organizações da região. Com mais de dezesseis anos de experiência na indústria, desenvolveu programas antipirataria na região com uma visão de proteção dos direitos de Propriedade Intelectual.


Fonte: 2PRÓ Comunicação (Paula Giffoni)

FLERTE OU ASSÉDIO - Quando a cantada ultrapassa limites?

Um rapaz assovia “fiu fiu” e fala da forma física da colega de faculdade, enquanto L.A., 21 anos, entra na sala de aula. Em uma festa, outro rapaz a puxa pelo braço, ela ressalta que não quer conversa, apenas dançar com suas amigas. Mas ele insiste e tenta beijá-la à força.



A cultura da cantada continua forte na sociedade, e muitas pessoas sentem-se confusas em algumas situações, principalmente quando o assunto é flerte ou assédio.

Segundo Sarah Lopes, psicóloga do Hapvida Saúde, o flerte é uma paquera e o assédio representa uma perseguição e importunação:

“Para se caracterizar o flerte, as partes devem corresponder a esta paquera. Quando isso não ocorre e uma das partes insiste, causando constrangimento ou até mesmo um incômodo ou aborrecimento, esta conduta já pode ser considerada assédio. Deixa de ser flerte quando a outra parte não corresponde à intenção de relacionamento”. 
O assunto é delicado, mas deve ser debatido e entendido que a partir do momento que incomoda ou constrange, a pessoa está sendo assediada.

Muitas vezes o flerte pode iniciar sendo correspondido, porém, por algum motivo, não há mais a troca. Neste caso, apenas uma das partes permanece na intenção de iniciar uma relação de paquera”.

Portanto, assim que perceber que não está sendo correspondida, a investida deve ser parada imediatamente, para não causar situações desapropriadas e impertinentes.

O debate não gira em torno do fim da paquera, e sim do limite entre o cortejar saudável e uma insistência inadequada, que acontece, muitas vezes, quando o indivíduo não aceita a possibilidade de receber uma negativa ou, até mesmo, como modo de forçar uma condição de autoridade e poder.

“O assédio deve ser assim considerado quando uma das partes ocupa lugar de desequilíbrio em relação ao outro. Este desequilíbrio pode ser financeiro, emocional ou social. Assim, para que a paquera seja saudável, deve deixar bem claro que respeita os limites do outro”.

Conforme o assédio se comprova, é necessário ser expressamente anunciado para que a pessoa entenda que suas atitudes são consequência de um comportamento inadequado que não será aceito, independente se a intimidação ocorreu mediante força física ou emocional. Caso o assediador for alguém próximo, como por exemplo, um amigo ou colega de faculdade ou de trabalho, a conduta não deve ser levada adiante para que a situação não se prolongue e perca o controle.

 “É importante que a decisão de quem foi assediado seja compreendida e que não se aceite nada que não queira”.

Portanto, vale ressaltar que qualquer relação deve ser estabelecida com limites e baseada no respeito. A paquera, quando acontece de maneira correta, tenta criar um elo para compreender na atitude da outra pessoa se ela corresponde na mesma medida, respeita seu espaço, seu limite, seu corpo e suas vontades. Ao contrário do assédio, a paquera não provoca sensações de medo ou angústia por apresentar-se de forma consentida.


SOBRE O HAPVIDA
Com 3,8 milhões de beneficiários, além de terceira maior operadora do País, o Hapvida hoje se posiciona como a maior do Norte e Nordeste. Os números superlativos mostram o sucesso de uma estratégia baseada na gestão direta da operação e nos constantes investimentos: atualmente, com mais de 17 mil colaboradores diretos envolvidos na operação de 24 hospitais, 73 clínicas médicas, 18 unidades de prontos atendimentos, 71 unidades de diagnóstico por imagem e 66 postos de coleta laboratorial distribuídos em 11 estados onde a operadora atua com rede própria.


Fonte CDN Comunicação (Caroline Devidé -  Andréia Costa)

© Folha da Comunidade DF - 2015 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo