CUSTOMIZAÇÃO - Alternativa ao alto custo de roupas novas

Com a constante renovação das coleções, estar na moda se torna um verdadeiro objetivo de vida para muitas pessoas. Prova disso é que, de acordo com levantamento do Sebrae, divulgado em 2014, 36% dos brasileiros compram novas peças ou acessórios a cada dois meses.

O que eles muito provavelmente não sabem é que, para estar na moda, não é preciso consumir. De uns anos para cá, a transformação e a customização de peças vêm ganhando espaço no guarda-roupa do brasileiro. Além de ser uma alternativa mais barata, elas permitem que uma roupa seja exclusiva e, assim, que a pessoa mantenha a própria identidade.



“As peças que eram tendência no inverno passado já estão desatualizadas, mas se adaptar à constante mudança da moda é uma tarefa bastante difícil, além de não ser nada barata”, comenta Paulo Alexandre, CEO da Arranjos Express, empresa que oferece serviços de adaptação de roupas.

Esse tipo de serviço pode ser considerado parte do slow fashion, conceito que busca combater o consumo desenfreado proposto pela indústria da moda – ele está alinhado à sustentabilidade e propõe o consumo apenas de marcas que incorporem o cuidado ao meio ambiente, a responsabilidade social e o estímulo à compra consciente. “Cada vez mais, as pessoas não querem consumir mais, mas, sim, consumir melhor e dar vida nova ao que já têm”, finaliza Paulo.

SOBRE A ARRANJOS EXPRESS
A Arranjos Express foi fundada em 2003, em Portugal. A marca, referência em customização de roupas na Europa, já está presente há cinco anos no Brasil, onde tem mais de 70 lojas espalhadas por São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Distrito Federal, Bahia, Mato Grosso, Goiás, Sergipe e Santa Catarina. O foco do negócio está em seu serviço especializado e rapidez na entrega. Além de roupas convencionais, a Arranjos Express também trabalha com têxtil lar (cortinas, almofadas e toalhas de mesa), e roupas para pets.


Cássia Miranda - Assessora de imprensa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Folha da Comunidade DF - 2015 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo