ELEIÇÕES 2018 - Milhões rolando nas mesas e o povo pedindo voto impresso!


“Eu vejo o futuro repetir o passado, eu vejo um museu de grandes novidades”
Cazuza.

* Por Christiane Couto
Em meio aos jogos da Copa do mundo, as negociatas em Brasília vão se concretizando.  Nas piscinas cheias de ratos, milhões e milhões de reais são despejados em troca de espaço na TV, dinheiro para campanha e cargos no futuro.  Todo ano eleitoral é assim... Copa primeiro para anestesiar, depois, engulam os eleitos escolhidos pelo establishment!



Alguns ainda estão deitados “eternamente em berço esplêndido”  mas outros tentam reagir: Pedem voto impresso, protestam em frente ao Congresso ou o STF, se filiam a partidos, saem candidatos, pedem intervenção militar... De várias formas tentam reagir, mas a realidade não muda. Não muda mesmo.
Aqui o poder emana da Esplanada como em um maremoto e atinge os guetos das cidades satélites através dos políticos e seus líderes comunitários, ou seus cabos eleitorais. Nessas eleições não está sendo diferente. O que vale é o tempo na TV, o bilhões do fundo partidário e é claro, os conchavos.

Cada Estado tem sua história política e seus poderes, fruto das capitanias hereditárias.
Aqui em Brasília a história dos maiores partidos do Brasil PMDB, PT e PSDB não refletem diretamente a realidade nacional. Considerando os últimos anos temos um personagem curinga: Cristovam Buarque.   O político era petista depois foi para o PDT, elegeu os dois últimos governadores de Brasília, de esquerda : Agnelo do PT em 2010 e Rollemberg do PSB em 2014. Todos eram muito amigos, hoje não são mais. Nos blogs, o comentário é que ele cisca em todos os galinheiros (partidos) para garantir sua vaga no senado.  Agora está sem apoio da esquerda e quer se reeleger à custa da direita. O fato é que, se nas eleições  anteriores ele deu carona, nessa ele está tentando pegar carona.

Rollemberg fez o pior governo de toda a história de Brasília, mas apesar da altíssima rejeição ele vem com “apoio” do PDT de Lupi agarrado na bóia furada de Ciro Gomes, porém, isso significa mais tempo na TV e dinheiro de fundo partidário. Isso faz tremer o chão da cidade, pois as outras campanhas embora tenham mais apelo popular, vão se deparar com o poder do dinheiro, o poder do conchavo, do toma lá dá cá.

Na segunda via temos o candidato mais plausível, o Jofran Frejat. Médico ficha limpa, Brasília já o conhece há muito tempo, mas é do PR, um partido que aqui em Brasília não é muito bem recebido por ser representado por figuras como Agaciel Maia, que é relacionado a nomes fichas sujas como José Sarney. Apesar disso, Frejat hoje é o nome mais aclamado pelo povo brasiliense.

O general Paulo Chagas do PRB entra na disputa do GDF com a força do apoio de Bolsonaro.  É um candidato forte pelo respeito e credibilidade que os militares têm diante da sociedade.  Representa a maioria daqueles que lotaram a Esplanada dos Ministérios indignados com tanta corrupção na política e conseguiram destituir Dilma PT da Presidência da República. Então, embora Paulo Chagas tenha pouco tempo na TV e pouco dinheiro pra campanha, a candidatura do general vem com muita força e não pode ser subestimada.

 Outra chapa é representada por uma mulher, uma candidata sem muita expressão política em Brasília, mas poderosa quando se trata de negócios por ser uma empresária bem sucedida.  Eliana Pedrosa do PROS tem contrato milionário com o GDF de Rolemberg e está sendo financiada por um investigado na Lava Jato e isso incomoda boa parte do PTB, partido do seu vice Alírio Neto. Esta é a razão do racha que há hoje no PTB de Brasília. Muitos não se sentem confortáveis em dividir o palanque onde existe dinheiro sendo investigado pela Lava Jato.

A esquerda dessa vez não tem representantes com peso político para disputar o GDF.
O único partido político que poderia encabeçar essa ala seria o PDT, mas atualmente não possui mais em sua legenda nomes fortes como o de Cristovam e Reguffe que nas eleições passadas estavam fortes e conseguiram ser eleitos, mas hoje estão em outros vôos... O PDT de Brasília não possui sequer um único nome com representatividade.  O Dep. Joe Vale, apadrinhado de Carlos Lupi, amigo de Dilma, que herdou o PDT de Brizola, mal consegue fazer um discurso e é desconhecido pela população brasiliense.

“Em tempos de eleições onde o fundo partidário determina quantos políticos cada partido irá eleger em cada Federação do Brasil, há a necessidade de separar o Joio do Trigo e agir com prudência. Existem pessoas boas no meio de tantas investigações de corrupção, desmandos e más gestões”.

Há décadas os brasileiros estão com as rédeas da política e do poder nas mãos, porque todo poder emana do povo e a forma mais democrática do povo exercer esse poder é através do voto.
Ultimamente não estamos podendo confiar nem nas urnas eletrônicas... Infelizmente o voto impresso, lei de 2015 foi enforcada pelo Supremo, mas nos resta ainda a esperança que as Forças Armadas acompanhem a auditagem dos votos.
Existem candidatos que não podem ser reeleitos de jeito nenhum! Existem candidatos que são paraquedistas e não podemos eleger e ainda existem aqueles candidatos que chegam com boas intenções e são merecedores do nosso voto e da nossa confiança!
Estes sim, precisamos identificar e apoiar,  mas isso será assunto da nossa próxima reflexão!

Abraços!



Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Folha da Comunidade DF - 2015 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo