JUSTIÇA DO DF CONDENA MÉDICO POR INJÚRIA RACIAL



Um médico de Brasília foi condenado a três anos e três meses de reclusão pelos crimes de injúria racial e desacato, após ofender uma mulher, chamando-a de “neguinha, burrinha, sujinha e pretinha da senzala”.
A sentença saiu no último dia 17 de novembro.
O caso aconteceu em de maio de 2010. A vítima, uma técnica de enfermagem, solicitou que o acusado a ajudasse a transferir a esposa dele da maca para a cama. A esposa havia acabado de se submeter a uma cesariana. Inconformado com o pedido, o homem disse que estava pagando e que a técnica em enfermagem deveria chamar outra pessoa para ajudá-la.  Ao sair do quarto para buscar ajuda, a vítima foi seguida pelo réu, que passou a proferir xingamentos relacionados à raça e à cor da mulher, além de cuspir em seu rosto. O acusado também deu um tapa no rosto na enfermeira, causando lesões. Após as agressões, o acusado foi conduzido à 21ª Delegacia de Polícia, onde desacatou os policiais civis e militares que se encontravam no momento do registro do flagrante. O acusado desceu as calças até os joelhos, ficando apenas de cueca.  A vítima entrou na Justiça com uma ação cível por danos morais pela discriminação sofrida. Inicialmente, foi fixada indenização no valor de vinte mil reais, que foi reduzida pelo Tribunal de Justiça para oito mil reais.


Com informações do TJDF, Reportagem, Storni Jr. Agência do Rádio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Folha da Comunidade DF - 2015 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo